Sindicalista alerta para perda de direitos do trabalhador

Por conta do fim da contribuição sindical adesão é livre e não mais obrigatória

Por Sandro Alponte 06/08/2018 - 14:06 hs
Foto: Jonathan Peraçoli
Sindicalista alerta para perda de direitos do trabalhador
Marcelo Maganha, presidente do Sintracombb

O presidente do Sintracombb (Sindicato dos Trabalhadores na Construção Civil, Mobiliário e Cerâmicas de Barra Bonita), Marcelo Maganha, informou que devido ao fim da contribuição sindical compulsória ao trabalhador a entidade tem trabalhado para alertar os trabalhadores do setor do risco da perda de direitos para quem estiver desfiliado da entidade e não participar com a contribuição assistencial.

De acordo com ele o trabalhador tem todo o direito de optar por não contribuir com o sindicato, porém, agindo assim também fica de fora dos benefícios conquistados em acordo coletivo. “O governo nos tirou a forma com que nós nos mantíamos, só que ainda nos atribui várias obrigações”, disse ele. “Ainda somos obrigados a fazer convenções coletivas, acordos coletivos, atender os trabalhadores. Tudo isso sem receber de ninguém”.

Maganha afirma que não pode obrigar ninguém a pagar. “Mas o trabalhador que se desfiliar não vai participar de nossas conquistas, como aumento salarial, cesta básica, PLR, entre outras ações do sindicato”, ressalta. “A empresa não pode representar o trabalhador. Então, quem optar em fazer o direito de oposição deve procurar o sindicato que é o único órgão que pode representá-lo”.

 

Horário enxuto


Marcelo também informou que devido a essa situação o horário de atendimento da sede do sindicato foi reduzido. Desde o último dia 1º as portas estão abertas só no período da tarde, das 13h às 17h. O objetivo é economizar em energia elétrica, internet, telefone e funcionários. A mudança a princípio deve vigorar por 180 dias.