Governo amplia vacinação contra HPV para adultos até 26 anos

A medida tomada pelo Ministério da Saúde, que visa evitar desperdícios, é válida apenas para cidades cujas doses têm prazo de validade até setembro

Por Thais Cavalcante 21/08/2017 - 16:40 hs
Foto: Getty Images/Reprodução)

Na última quinta-feira (17), o Ministério da Saúde informou estenderá a vacinação de HPV para homens e mulheres de até 26 anos nos municípios em que as doses tenham prazo de validade até setembro.

Depois de terminados estes estoques, as vacinas voltarão a ser administradas somente para meninos de 11 a 13 anos, meninas de 9 a 14 anos e homens e mulheres de 9 a 26 anos que tenham HIV e AIDS, tenham órgãos e medula óssea trasplantados e pacientes oncológicos.

A mudança, que passa a valer a partir desta sexta-feira (18), é temporária e visa especificamente evitar o desperdício dessas doses que podem continuar nos estoques dos municípios.

A orientação do Ministério da Saúde para as pessoas de 15 a 26 anos é de que sejam aplicadas três doses com intervalo de dois e seis meses. Os que forem dessa faixa etária e tomarem a primeira vacina até setembro terão as outras duas garantidas pelo SUS (Sistema Único de Saúde). Já o principal público-alvo continuará com a vacina em duas doses e com seis meses de intervalo.

Ainda não se sabe ao certo quais cidades possuem esses estoque a vencer até setembro e quantas doses serão aplicadas, mas o órgão do governo afirmou que os que quiserem se vacinar podem verificar a disponibilidade junto as unidades de saúde de seus municípios.

A campanha nacional de vacinação

O Ministério diz ainda que as coberturas continuam abaixo da meta estabelecida (80%), mesmo com a distribuição de material educativo e a propagação na mídia sobre as campanhas e importância de tomar a vacina contra o HPV. Segundo o órgão, há resistência por parte dos adolescentes e, por isso, dificuldade para levá-los às unidades de saúde.

De 2014 até junho deste ano, a primeira dose foi aplicada em 74,4% de brasileiras entre 9 e 15 anos (cerca de 10,7 milhões de meninas). Com relação aos meninos, de janeiro a junho deste ano, 23.6% dos adolescentes de 12 e 13 anos (aproximadamente 852 mil) receberam a primeira vacina.

Segundo a Folha de S. Paulo, o câncer de colo de útero é a 4ª maior causa de morte entre as mulheres no país e esta vacina é a principal forma de prevenir a doença. Para os homens, ela previne os cânceres de pênis, orofaringe e ânus. Para ambos, previne mais de 98% das verrugas genitais.

Roberta Tinti/claudia.abril.com.br