Polícia Civil de Jaú prende suspeitos de chefiar tráfico na cidade

Por Thais Cavalcante 08/09/2017 - 09:24 hs
Foto: Polícia Civil/Divulgação
Polícia Civil de Jaú prende suspeitos de chefiar tráfico na cidade
Na terceira etapa da Operação Fox, Polícia Civil apreendeu maconha, cocaína, dinheiro e pinos vazios

A Polícia Civil de Jaú desarticulou na quarta-feira (6) duas associações criminosas que vendiam drogas nos bairros Vila Maria e Jardim Maria Luiza IV, prendeu em flagrante dois homens e apreendeu porções de cocaína, maconha e dinheiro. No mês passado, outras três pessoas já haviam sido presas.

Durante três meses, a atuação dos criminosos foi investigada. Segundo o delegado Marcelo Aparecido Tomaz Goes, o operação que resultou nas prisões foi batizada de Fox (raposa, em inglês) em razão da esperteza, imprevisibilidade e astúcia dos dois líderes.

"Investigações revelaram que os indiciados forneciam as drogas, de alta qualidade, a outros traficantes da cidade, usando diferentes pontos de encontro para esses negócios ilícitos e diferentes veículos para a entrega das substâncias, indicativos da esperteza deles".

Na última quarta-feira (6), equipes da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) e Central de Polícia Judiciária (CPJ) prenderam em flagrante por tráfico e associação Eduardo Barbosa da Silva, 36 anos, um dos líderes, e Rauan Felipe Leme da Silva, 23 anos.

Com eles, foram localizados 4.174 pinos vazios, aparelhos celulares, R$ 1.495,00, quatro porções de maconha, 20 porções de cocaína e três tijolos da mesma droga, que pesaram mais de 1,5 quilo.

PRESOS

Na primeira etapa da operação, em 10 de agosto, foram presos em flagrante Andre Rogério Fornarolli, 36 anos, apontado como o segundo líder, e Edson Luiz Passarelli de Oliveira, 39 anos.

Em duas casas, na Vila Maria, foram encontrados uma porção de cocaína pura, conhecida popularmente como "cristal" ou "escama", vendida a R$ 40,00 o grama, além de balanças de precisão e R$ 5.130,00. 

Na segunda etapa, no dia 11, Ronaldo Araújo Carvalho, 32 anos, foi preso em sua residência, no Jardim Itamarati, com seis pedras brutas de crack, uma pedra bruta de 15 gramas de cocaína pura e balança de precisão.

"Restou comprovado que o Ronaldo, assim como Edson, guardavam as drogas a mando de André, que ainda determinava que eles entregassem porções dessas drogas a outros traficantes e consumidores finais", revela o delegado Goes. Os três tiveram a prisão preventiva decretada.

POR PESO

O delegado explica que, com essas prisões, foi possível apurar que as substâncias eram vendidas a outros traficantes por peso, e não em porções, e que o recebimento e a distribuição eram feitos num intervalo de poucas horas para evitar que os criminosos fossem flagrados com grande quantidade de droga.

"As investigações prosseguem com a finalidade de identificar outros associados para o tráfico de drogas", diz.

Lilian Grasiela/jcnet.com.br