Cinco vereadores votam contra contas de Belarmino

Cinco vereadores votam contra contas de Belarmino

Niles, Adriano, Joãozinho, Sandro e Maicon não concordaram com recomendação do Tribunal de Contas

Por Cristiane Gomes 03/04/2018 - 09:38 hs
Foto: Assessoria de Imprensa
Cinco vereadores votam contra contas de Belarmino
Contas de Belarmino foram votadas na noite desta segunda-feira (2)

 

A Câmara Municipal de Barra Bonita aprovou na noite de ontem (segunda-feira, 2) com o voto favorável de oito vereadores as contas relativas a 2015 do ex-prefeito Guilherme Belarmino. O Tribunal de Contas deu parecer favorável apesar de recomendação da assessoria técnica do próprio órgão e Ministério Público emitirem pareceres opinando pela rejeição.

Foram favoráveis as contas de Belarmino inclusive vereadores que são da base do prefeito José Luiz Rici, o Zequinha. Entre eles: Claudecir Paschoal, Lelo Lodi e Lucas Antunes. Ainda votaram pela aprovação das contas: José Carlos Fantin, Aline Castro, Gervásio Silva, Marcos Gava Jr. e Edson de Jesus.

“Voto com minha consciência tranquila porque analisei todo parecer do Tribunal de Contas”, disse na tribuna Fantin. “O que estamos fazendo aqui é seguindo o parecer favorável do Tribunal. Se eles que são capacitados votaram pela aprovação, não somos nós que seremos contra”, comentou Gervásio.

Contrários a aprovação foram os vereadores Niles Zambelo Jr., Adriano Testa, Joãozinho Pereira, Sandro Alponte e Maicon Furtado. “Os conselheiros do tribunal são cargos de indicação. O corpo técnico é quem realmente analisa as contas e essa assessoria recomendou a reprovação das contas de 2015”, comentou Joãozinho.

Sandro Alponte comentou que as impropriedades são graves o bastante, segundo o Ministério Público, tanto que opinaram pela rejeição. “Segundo eles (Ministério Público e assessoria técnica do Tribunal de Contas) estão comprovadas uma série de improbidades nas contas do exercício de 2015”, declarou. “Inclusive acho que essa Casa de Leis falhou em não abrir uma CPI (Comissão Processante de Investigação) para analisar melhor esses apontamentos do Tribunal”.