Quem foi seu primeiro professor?

Profissional é fundamental para o desenvolvimento cultural e social das pessoas, além de ensinar ler e escrever; educação vem de casa

Por Carla Parezan 14/10/2018 - 09:00 hs
Foto: Carla Parezan
Quem foi seu primeiro professor?
Dona Cleide e Sr. Carlos dedicaram a vida ao magistério

Nesta segunda-feira, 15 de outubro, é comemorado o dia do professor. E para falar sobre uma das carreiras mais nobres que existe, o S2 Notícias conversou com a dona Cleide e com José Carlos Lourenção. Um casal que dedicou a vida ao magistério.


José Carlos tem um carinho enorme por sua primeira professora e se lembra das lições aprendidas com ela até hoje. “Antigamente existia a professora que segurava na mão do aluno para ensinar a desenhar as letras”, se recorda.

Quando foi secretário de Educação de Barra Bonita, José Carlos sugeriu nomear a escola que seria construída com o nome de Cidy, sua primeira professora. A solicitação foi atendida e no bairro Nova Barra está à escola Mercedes Lopes De Marchi.


Dona Cleide tem 60 anos de carreira e trabalhou em diversas áreas da educação como professora. Mas a maior parte foi dedicada à direção escolar. “No Castelinho fiquei na direção durante 15 anos”. Sua última experiência foi no ano passado, quando voluntariamente dirigiu a FunBBE. “Outro dia algumas alunas me encontraram em uma farmácia. Choraram e me abraçaram, falaram que estavam com saudades. Isso não tem preço”, relata ela.


Quando era aluna ou logo que começou a lecionar, Cleide lembra que a figura de professora era vista como uma autoridade. Cidy foi a primeira professora de José Carlos. Alzira, que dá nome a escola Alzira Kruger Guther, foi a primeira de Dona Cleide.


Ambos lembram que era uma honra poder levar o material da professora até sua casa. Ou mesmo a emoção de, em agosto, receber a cartilha das mãos do diretor. “É importante a figura do diretor na sala de aula”, acredita José Carlos.

No ano passado dois homens bateram à porta da família Lourenção. “Dois rapazes que foram meus alunos vieram me visitar. Um dentista e o outro matemático. Eles estavam na cidade para visitar a família e vieram visitar seu professor”, conta José Carlos. Para Cleide o carinho dos alunos e memórias como essas são o que fazem à carreira valer a pena.