Rir ainda é um bom remédio

Sem contra indicação, rir é gratuito e fácil de usar, afirma psicóloga

Por Carla Parezan 07/11/2018 - 08:54 hs
Foto: Imagem ilustrativa/Google

A rotina diária faz com que as pessoas acabem se estressando ou até mesmo adoecendo. Segundo a psicóloga Priscilla Pereira, as atividades cotidianas contribuem para a variação do humor e essas são diferentes para cada pessoa. “Algumas pessoas, por exemplo, tem como preferência a realização de atividades físicas, enquanto outras o sentimento de acolhimento e pertencimento a um grupo de amigos. Tudo isso é motivo o suficiente para manter um bom nível de humor elevado”, comenta ela.

Existe um dito popular que diz que rir é o melhor remédio. A psicóloga acredita que esse seja um remédio natural. “Não é necessário controle algum em sua dosagem. Depois do riso, hormônios como endorfina e serotonina são liberados na corrente sanguínea, o que proporciona bem-estar”, explica. O riso pode também contribuir para a redução da ansiedade e do medo. “Rir melhora o relacionamento intrapessoal, que é o modo como o sujeito se comunica com ele mesmo, havendo então uma diminuição no nível de estresse e uma melhora no humor, fatores estes de grande influência para a saúde física, emocional e social”, finaliza.

Porém, a falta de graça pode ser característica da personalidade da pessoa. “Nem sempre rir pouco é o indicativo de alguma doença, podendo ser uma característica da personalidade que indica rigidez, introversão, insegurança ou uma diminuída capacidade de espontaneidade”, explica a psicóloga.