Suspeitos de furtos em Jaú são presos

Segundo Polícia Civil, quadrilha é especializada em arrombar apartamentos de luxo no interior de São Paulo e Minas Gerais

Por Camila Ramos 14/10/2019 - 14:08 hs
Foto: Divulgação
Suspeitos de furtos em Jaú são presos
s investigações prosseguem para identificar outros integrantes

Após trabalho de apuração, policiais civis da Delegacia de Investigações Gerais (DIG) de Jaú (47 quilômetros de Bauru) identificaram e prenderam nesta quinta-feira (10) integrantes de uma quadrilha especializada em furtos a imóveis no interior de São Paulo e Minas Gerais. Na semana passada, os suspeitos teriam arrombado dois apartamentos em edifícios no Centro de Jaú para furtar dinheiro, objetos pessoais e jóias.

De acordo com o delegado Marcelo Aparecido Tomaz Goes, titular da DIG, as investigações indicaram que, desde a última quarta-feira (9), os prováveis autores do crime estariam na cidade de Patos de Minas com um veículo alugado modelo GM Ônix de cor prata e que, na quinta-feira (10), seguiram para São Paulo.

Com o apoio do Tático Ostensivo Rodoviário (TOR), o carro foi interceptado na altura do quilômetro 80 da Rodovia dos Bandeirantes, sentido Capital. Nele, estavam quatro jovens com média de idade de 23 anos e um homem de 72 anos, pai de um deles. No momento da abordagem, a equipe da DIG chegou ao local.

O delegado conta que, entre os ocupantes do veículo, estava um dos investigados, que dirigia o Ônix para os comparsas no momento dos furtos em Jaú. "Outro, por sua vez, era muito semelhante a um daqueles que teria invadido um dos apartamentos. Todavia, eles negaram a todo tempo tais práticas", declara.

Segundo a equipe do TOR, os suspeitos ofereceram cerca de R$ 32 mil para serem liberados e foram autuados por corrupção ativa. No plantão policial de Campinas, com base nas investigações da DIG de Jaú, eles também foram indiciados por associação criminosa e, um deles, pelo uso de documento falso.

Com o grupo, além do carro e dos R$ 32 mil, foram apreendidos 10 libras, 91 dólares, 25 euros e chaves de fenda e michas usadas para arrombar as portas das moradias. As investigações prosseguem para identificar outros integrantes e outras possíveis vítimas e confirmar o envolvimento dos presos nos crimes.

 Fonte: JCnet