Sesi Biotech de Barra Bonita conquista prêmio internacional de robótica

Equipe recebeu o primeiro lugar na categoria “Community Choice Award” no Global Inovattion Award 2020

Por Camila Ramos 30/06/2020 - 14:16 hs
Foto: A equipe do SESI ficou em primeiro lugar numa disputa com times de vários países
Sesi Biotech de Barra Bonita conquista prêmio internacional de robótica
O projeto apresentado é capaz de resolver problemas de fissuras e rachaduras no asfalto.

A temporada para a equipe de robótica educacional Sesi Biotech terminou com resultados inéditos para Barra Bonita e o Brasil.  Em cerimônia on-line realizada neste fim de semana, a equipe conquistou o Community Choice Award no FLL- Global Inovattion Award 2020. O projeto apresentado é capaz de resolver problemas de fissuras e rachaduras no asfalto.

Considerada a grande premiação no quesito inovação da robótica educacional, o prêmio busca destacar projetos que apresentem soluções de forma sustentável, dentro do tema de cada temporada. O tema desta temporada, determinado pela organizadora internacional do evento, FIRST (For Inspiration and Recognition of Science and Tecnology), era Cidades Inteligentes.

A equipe é composta pelos jovens Manuela Rodrigues, Laura Mariano, Laura Resina, Leonardo Barreto, Bruno Roberto, João Gabriel Azevedo e Lais Santos com idades entre 13 a 15 anos. Eles realizaram pesquisas em busca de soluções para um dos grandes problemas de mobilidade das cidades, que são as rachaduras e fissuras no asfalto, que vão degradando o pavimento das estradas com o passar do tempo. 

“É um problema gravíssimo, pois atinge diretamente a sociedade, provocando engarrafamentos, acidentes e problemas mecânicos nos veículos”, conta Lais Santos, de 13 anos, que relata que a solução encontrada foi um selante asfáltico, a base elementos contidos no bagaço da cana-de-açúcar, que bloqueia a ação nociva da água, acabando com a formação de buracos nas estradas de uma vez por todas.

 

Saiba mais sobre o projeto do SESI Barra Bonita

Com base no tema Cidades Inteligentes, os alunos batizaram o composto de ECOPAV. O selante ecológico é feito a partir do composto de lignina, extraído do bagaço da cana-de-açúcar, e de nanopartículas de carbono. Os estudantes contaram com a ajuda de um químico e realizaram diversas entrevistas com engenheiros e especialistas, a fim de adquirirem um resultado sustentável, eficaz e aplicável em grandes e pequenas obras. 

Ana Maria conta que era desejo dos alunos utilizar um material sustentável para a produção do selante, e foi assim que chegaram na lignina, produto existente em grande quantidade em Barra Bonita, que fica numa região produtora de cana-de-açúcar.

A aluna Manuela Rodrigues, 14 anos, explica que “a lignina, além de reter a umidade, é resistente a temperaturas extremas e tem um alto potencial adesivo. Enquanto as nanopartículas de carbono são estruturas tubulares e flexíveis”. A combinação dos dois compostos é o que possibilita a capacidade do selante de quadriplicar a durabilidade e a resistência dos pavimentos utilizados nas cidades, impedindo que fissuras e rachaduras se formem desde o princípio da construção.

Os alunos ressaltam ainda que, diferentemente dos produtos encontrados atualmente no mercado, o ECOPAV é um selante à frio e possui consistência pastosa. Por isso, por ser manuseado e aplicado sem a necessidade de treinamento, maquinário de grande porte e até mesmo de proteção, requeridos pelos selantes de alta temperatura.

Os testes realizados mostraram-se bem sucedidos e, por isso, estão em busca de parcerias com empresas e com a prefeitura de Barra Bonita, para levarem o projeto adiante. Também está entre os desejos dos estudantes iniciar o processo de patenteamento e, se possível, a produção em larga escala.

Paixão pela pesquisa e pela inovação

Não é a primeira vez que os alunos investem em compostos químicos inovadores. Este é o terceiro ano da equipe na etapa nacional do Torneio SESI de Robótica FIRST LEGO League – a competição de robótica que utiliza robôs fabricados com peças de Lego. Em 2019, os alunos garantiram o primeiro lugar em Programação, na competição realizada em Montevidéu, no Uruguai, graças a suas soluções inovadoras.

“Na temporada Hydro Dynamcs, nós criamos um filtro acoplado a máquinas de lavar e caixas de passagem nas residências, a fim de realizar a filtragem do nitrato fosfato, que desembocaria nos rios prejudicando a vida marinha. E na temporada Into Orbit, nós fizemos um creme protetor de radiação, cujo um dos componentes era o grafeno. Chegamos a desenvolver a solução em uma farmácia de manipulação, e constatamos que ele bloqueava 99% da radiação em contato com o corpo humano”, conta a técnica Ana Maria.

 

Agência de Notícias CNI