Bombeiro ajuda esposa a dar à luz na porta de hospital em Bauru

Iohan Negrão nasceu dentro do carro, antes que o casal conseguisse entrar na unidade

Por Camila Ramos 25/09/2020 - 08:54 hs
Foto: Saulo dos Santos Vitale/Arquivo Pessoal
Bombeiro ajuda esposa a dar à luz na porta de hospital em Bauru
Saulo contou que nunca tinha feito um parto.

Um policial militar de Bauru (SP) que atua no Corpo de Bombeiros há 15 anos teve que realizar uma função inesperada na manhã desta quinta-feira (24): o parto do próprio filho. A família não teve tempo de chegar ao hospital e o pequeno Iohan Negrão Vitale nasceu dentro do carro, nos braços do pai.

Saulo dos Santos Vitale, de 38 anos, contou que a esposa Priscila Colombo Negrão Vitale, 36, começou a sentir contrações de madrugada e os dois começaram a monitorar o ritmo delas. No entanto, as contrações começaram a aumentar rapidamente e Priscila entrou em trabalho de parto a caminho do hospital. “No que foi aumentando, bateu o desespero. Ela tomou um banho rápido, mas começou a aumentar e aí foi uma correria. Entramos no carro e ela já começou a gritar de dor”, lembra Saulo.

O bombeiro foi dirigindo até o hospital, mas no caminho, o bebê começou a coroar. Priscila chegou a pedir para o marido parar no acostamento e fazer o parto, mas faltavam poucos metros para chegar à unidade.

“Como meu marido é bombeiro e eu já tinha passado por parto normal, não fiquei com medo. Falei ‘para o carro e faz o parto’”, conta Priscila. “Eu falei ‘não deixa sair não, segura esse bebê’”, brincou o pai.

Quando chegaram ao pronto-socorro, a cabeça do bebê já tinha saído e Saulo teve que terminar de tirar o corpinho dele depois que estacionou. Em seguida, enfermeiros começaram a chegar e ajudaram o casal.

“Quando a gente parou na portaria, tinha que esperar subir a cancela. Meu marido falou ‘tá coroando, tá coroando’ e o cara abriu rapidinho. Ainda tinha um carro na frente e buzinamos para ele sair da frente. Quando o homem viu o que estava acontecendo, arregalou o olho”, lembra Priscila.

Depois do parto, Priscila e Iohan foram levados de cadeira de rodas para o quarto. O pai ainda cortou o cordão umbilical do filho. Segundo a mãe, Iohan decidiu nascer no tempo dele e deixou para trás a doula, o fotógrafo e até as unhas e cabelo que ela tinha programado fazer para o evento. “Teve todo um planejamento que não rolou”, brinca Priscila.

Saulo contou que nunca tinha feito um parto, mas já tinha acompanhado alguns durante sua profissão enquanto bombeiro. Para ele, participar do nascimento do filho foi emocionante.“É uma sensação divina, um negócio inexplicável. É o meu terceiro filho, mas cada um parece que eu tive o primeiro filho de novo”, admite o pai.


Informações: G1 Bauru/Marília