Câmara de Macatuba ‘barra’ perfuração de poço

Vereadores votaram contra regime de urgência pedido pelo prefeito Marcos Olivatto

Por Sandro Alponte 06/10/2020 - 15:42 hs
Foto: Arquivo S2 Notícias
Câmara de Macatuba ‘barra’ perfuração de poço
Vereadores de Macatuba foram contra regime de urgência proposto pelo prefeito municipal

A Câmara Municipal de Macatuba recebeu na sessão de ontem à noite o novo projeto de lei de perfuração do poço profundo que precisa ser construído na região dos Altos da Cidade. E mais uma vez os vereadores se colocaram contra a realização da obra ao não aprovarem o regime de urgência pedido pelo prefeito Marcos Olivatto.

O objetivo da urgência era o de conseguir agilizar o processo de contratação da empresa e ter o poço ainda este ano atendendo o município. Agora, com a derrubada é possível que a aprovação fique somente para 2021. Só dois 2 vereadores votaram a favor: Elaine Correa e Tião da Laranja. O vereador Marcos Góes não esteve na sessão de ontem. Os demais, que foram contra a aprovação, são: Fabrício Gino Pereira, Anderson Ferreira, Eloísio Abel, João Zoião, Lasão Cordeiro, Ricardo Genovez e Silvia Pedroso.

Esta é a segunda vez que a questão da perfuração do poço passa pela Câmara e os vereadores barram o projeto. No ano passado o governo federal liberou um empréstimo para as prefeituras, com juros baixo, para que fosse investido em saneamento e renovação de frota. A administração conseguiu cadastrar a cidade por estar com as contas em dia. Porém, para que o valor fosse liberado, era necessária a aprovação da Câmara. O que não ocorreu. Os vereadores foram contrários ao financiamento.

 

DINHEIRO EM CAIXA

 

Na oportunidade a alegação de alguns vereadores era de que a prefeitura não deveria financiar a obra. Que havia dinheiro em caixa. Agora, mesmo com dinheiro para isso a Câmara rejeita o processo para que ele seja acelerado. O valor estimado para todas as etapas de construção do poço é de R$ 2,5 milhões.

A perfuração de um novo poço irá melhorar o abastecimento de nove bairros e cerca de 7 mil habitantes. Isso sem contar que serão entregues 162 casas da CDHU e o Jardim Santo Antonio que é outro bairro novo com 100 casas.

 

ÁGUA BOMBEADA

 

Atualmente toda a água consumida naquela região dos altos da cidade é produzida no centro e bombeada até um reservatório de um milhão de litros, perto das casas da CDHU. Qualquer pane elétrica deixa a região sem água porque são mais de 5 quilômetros de adutora com água bombeada da região baixa para a região alta. Além do consumo alto de energia, o sistema não garante a segurança no abastecimento.

Com o novo poço proposto pela atual administração, a água seria distribuída de forma mais eficiente e por gravidade. O que ainda iria ter economia de energia.