Duas cidades da região terão lockdown

Em virtude do agravamento da pandemia do novo coronavírus, Bariri e Lins decidiram restringir a circulação de pessoas

Por Camila Ramos 11/03/2021 - 08:16 hs
Foto: Imagem Ilustrativa/Google
Duas cidades da região terão lockdown
Bariri e Lins registraram, juntas, até esta quarta-feira (10), 8.846 casos de Covid-19 e 170 óbitos

Bariri e Lins registraram, juntas, até esta quarta-feira (10), 8.846 casos de Covid-19 e 170 óbitos. Em virtude do agravamento da situação, ambas as cidades decidiram decretar o lockdown. Em Bariri, a medida ocorrerá das 6h desta sexta-feira (12) até as 6h da próxima terça-feira (16). Já Lins adotará a iniciativa entre a meia-noite de sábado (13) e a meia-noite de segunda (15).

No caso de Bariri, que possuía 2.122 casos de Covid-19 e 50 óbitos provocados pela doença até ontem, o anúncio foi feito pelo prefeito Abelardo Mauricio Martins Simões Filho durante uma coletiva de imprensa transmitida ao vivo na página da Bariri Rádio Clube, no Facebook, no final da tarde desta quarta-feira (10). Na ocasião, o chefe do Executivo municipal afirmou que a cidade estava à beira do colapso.

O prefeito pediu, ainda, que a população não se desesperasse com a medida, que, segundo ele, contou com o apoio da Câmara de Vereadores, dos líderes religiosos e de entidades como a Associação Comercial e Industrial de Bariri (Acib). "Aproveitem estes quatro dias para ficar com a família dentro de casa", reforçou.

Titular da Diretoria de Desenvolvimento Econômico da prefeitura, Vicente Sergio Barbieri Junior detalhou a iniciativa. De acordo com ele, neste período, só poderão funcionar o hospital, o Pronto-Socorro (PS), as clínicas médicas e veterinárias somente para emergências, as farmácias, as funerárias, o Serviço de Água e Esgoto de Bariri (Saemba), as empresas de vigilância patrimonial, as indústrias que dão manutenção em equipamentos que não podem ser desligados, os serviços de radiodifusão, telefonia e Internet, além dos postos de combustíveis apenas para abastecer veículos oficiais, de trabalho para as atividades autorizadas e de transporte de bens para seguir viagem.

A circulação de pessoas, portanto, ficará restrita àquelas que buscam atendimento médico, veterinário, farmacêutico e funerário, bem como a quem precisa se deslocar para o trabalho. Supermercados, padarias, delivery e drive thru estarão proibidos. "Agora, é hora de nós nos solidarizarmos com as famílias dos entes queridos que partiram por causa da doença", argumentou o diretor.

Quanto à venda de bebidas alcoólicas, ela ficou proibida entre as 18h de ontem e as 6h desta quinta-feira (11). A comercialização também estará impedida das 16h de hoje até as 6h da próxima terça (16).

A vacinação aos idosos acima de 76 anos, por outro lado, terá continuidade entre hoje e amanhã, conforme garante a diretora de Saúde, Marina Prearo. "Nós perceberemos o efeito desta medida dentro de dez dias, mas nada impede que, no final do lockdown, estendamos o prazo, se houver necessidade", complementou.

Haverá, ainda, bloqueios nas entradas da cidade. Ninguém entrará ou sairá a passeio. A fiscalização ficará por conta da Polícia Militar (PM), do Corpo de Bombeiros e da Vigilância Sanitária, como adiantou a diretora de Finanças, Natalia Regiane Sisto Moreira. "Se nós continuarmos furando as medidas sanitárias, de nada adiantará o sacrifício do comércio, das indústrias e da população em geral", defendeu.

 

LINS

Em decreto - publicado nesta quarta-feira (10) no Diário Oficial do Município -, o prefeito de Lins (102 quilômetros de Bauru), João Luís Lopes Pandolf, justifica o lockdown, entre outros pontos, à alta taxa de ocupação de leitos, o elevado número de contaminações ocorridas nos últimos dias e a identificação de cepas da variante genética do novo coronavírus em amostras coletadas na cidade.

O documento determina que supermercados, padarias e açougues mantenham apenas o delivery, desde que permaneçam de portas fechadas e operem com até 30% dos seus funcionários. Bares, lanchonetes, restaurantes, pizzarias, conveniências, varejistas de hortifrúti e similares não poderão sequer aderir ao serviço de entrega, assim como o comércio em geral.

Agropecuárias e pet shops também estarão proibidos de atender ao público, mas poderão manter o delivery. Já os postos de combustíveis terão autorização de abastecer apenas veículos oficiais, táxis e similares.

Serviços de energia elétrica, telefonia, Internet, água e esgoto, urgência e emergência, além de segurança particular, permanecerão em funcionamento, mas deverão seguir os protocolos sanitários, assim como as farmácias e as clínicas veterinárias.

Até ontem, Lins havia registrado 6.724 casos de Covid-19 e 120 mortes pela doença. O decreto enfatiza que "é notório e pacífico o entendimento de que o isolamento social é o meio mais eficaz de conter a disseminação da Covid-19 e a contenção da proliferação da doença é a única maneira de evitar o colapso da rede de saúde". 


Informações: Jcnet